4/10/2006

.... a sexta aula ...


Mais uma aula, mais uma reflexão...


Hoje dividirei esta reflexão em duas partes. Na primeira parte falarei um pouco de competências e na segunda falarei sobre o Processo de Bolonha.

Em relação às competências, gostaria de referir que foi bastante importante ter realizado o trabalho de casa (procurar duas definições de competências) pois ajudou-me a participar activamente na aula. Apresentei a definição segundo Le Boterf e segundo o Currículo Nacional do Ensino Básico - competências essenciais. Para além destes tinha, ainda, uma definição segundo Perrenoud. Tendo em conta as pesquisas realizadas, penso que a definição mais completa é a de Le Boterf, uma vez que este refere:


"Possuir conhecimentos ou capacidades não significa ser competente. Pode-se conhecer técnicas ou regras de gestão contábil e não saber aplicá-las no momento oportuno. Pode-se conhecer o direito comercial e redigir contratos mal escritos.
Todos os dias, a experiência mostra que pessoas que possuem conhecimentos ou capacidades não sabem mobilizá-los de modo pertinente e no momento oportuno, em uma situação de trabalho. A atualização daquilo que se sabe em um contexto singular (marcado por relações de trabalho, por uma cultura institucional, por eventualidades, imposições temporais, recursos…) é reveladora da “ passagem ” à competência. Esta realiza-se na acção
"
(Le Boterf, 1994, p. 16)


Tendo em conta este tema, a docente expôs as teorias da aprendizagem que estão subjacentes no conceito de competências, nomeadamente as teorias construtivista/cognitivista e (socio)construtivista . Segundo as primeiras, a aprendizagem faz-se por multiplicidade e transferência de conhecimentos para resolver problemas e trabalhar com situações complexas. Segundo as teorias (socio)construtivistas, aprender é construir o conhecimento, enfatizando a aquisição e a construção do conhecimento. Esta última centra-se no modo se aprender, que só poderá ser construído pelo próprio sujeito.

Com esta explicação da docente foi-me possível relembrar as teorias da aprendizagem e, intrinsecamente, os tipos de conhecimento. Penso que se torna muito vantajoso para nós podermos aprender novos conhecimentos mas, também, relacioná-los com outros já aprendidos.
Após esta explicação, a professora apresentou os diversos documentos relacionados com competências. Foi neste assunto que a minha atenção prevaleceu. Afinal, desconhecia a maior parte dos documentos apresentados. Como fiquei bastante impressionada com a diversidade de documentos, assim, como com o seu público-alvo, decidi, instintivamente, tentar saber mais sobre os mesmos.
Le Boterf
Philippe Perrenoud
Currículo Nacional do Ensino Básico - competências essenciais

DeSeco (OCDE)
Sobre este tema, consultar ainda:
OECD Publication Identifies Key Competencies for Personal, Social, and Economic Well-Being

Key competences in the knowledge based society- a framework of eight key competences
(Comissão Europeia)

PISA ou PISA (GAVE)

Referencial de competências (antiga ANEFA agora DGFV)

TUNING

QFLLL ou QFLLL


Estes são documento realmente muito interessantes que eu espero estudá-los com maior cuidado e precisão.
Na segunda parte da aula falámos sobre o Processo de Bolonha. Confesso que este tema me suscita bastante interesse e preocupação. Interesse porque estou implicada, ou não, no mesmo. Preocupação porque, na realidade, não sei o que me irá acontecer a nível do curso. No entanto, aguardarei, com impaciência, o desenrolar deste processo em Portugal e, mais concretamente, na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação.

De seguida encontram-se alguns sites sobre o Processo de Bolonha:
PB1
PB2
PB3
PB4
Esta foi uma aula, realmente, muito importante uma vez que permitiu-me alcançar novos conhecimentos e explorar, mais pormenorizadamente, outros tantos que estão em constante debate na nossa sociedade… Penso ter sido uma aula essencial para o meu percurso enquanto aluna.
Agora é só começar a pesquisar....